RIO+20 – O futuro que queremos… sem compromisso

Edição 78 – Julho de 2012
Por Michel Epelbaum 

A Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20 terminou no dia 22 de junho no Rio de Janeiro, com dimensão recorde: participação de 45.381 pessoas, mais de 100 chefes de Estado e de Governo, 12 mil delegados de 188 países, 4.075 jornalistas credenciados, 9.856 ONGs, 1.500 voluntários, 50 milhões de acessos ao site oficial,  1 bilhão de citações à “Rio+20” no Twitter em inglês.

No entanto, a sensação que fica de seus resultados é a de um encontro caro demais para poucas decisões. O desinteresse e o esvaziamento da reunião da ONU por alguns países desenvolvidos foram patentes. Não compareceram os chefes de Estado dos Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Canadá, dentre outros dos países desenvolvidos.

No relatório final da reunião, intitulado “O futuro que queremos”, não houve um desejo dos países de firmar novos compromissos. Enquanto a palavra “decidimos” foi citada cinco vezes no documento final de 53 páginas (versão em inglês), a palavra “reconhecemos” foi mencionada cerca de 150 vezes, e a “reafirmamos” mais de 50 vezes. Reconheceu-se que os problemas sociais e ambientais merecem ações urgentes e que os progressos desde 1992 foram insuficientes e desiguais. Reafirmou-se o compromisso com os compromissos anteriores já firmados. Reafirmou-se o firme compromisso de conversar posteriormente sobre os vários assuntos.

Com respeito à Economia Verde, reconheceu-se somente a sua importância e exortou-se a cada país a considerar a possibilidade de implantar políticas no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza, de maneira a impulsionar o crescimento econômico e a criação de empregos sustentáveis.

Sobre o quadro institucional para o desenvolvimento sustentável (governança global), ressaltou-se a necessidade de fortalecimento e alinhamento das instituições e políticas nas várias esferas para integração dos três pilares do desenvolvimento sustentável. Decidiu-se estabelecer um foro político de alto nível, com caráter intergovernamental e universal que aproveite os pontos fortes, as experiências, os recursos sobre o desenvolvimento sustentável. Não houve transformação do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), mas o compromisso de fortalecê-lo.

O documento final da RIO+20 convida ainda os programas, fundos e organismos do sistema ONU, bem como outras instituições financeiras internacionais a seguir fomentando a incorporação do desenvolvimento sustentável em seus programas, estratégias e decisões a fim de apoiar a todos os países, em particular aos países em desenvolvimento, em seus esforços para atingir a sustentabilidade.

Exortou-se também o setor privado a adotar práticas comerciais responsáveis e a incorporar informações de sustentabilidade nos relatórios financeiros das grandes empresas e daquelas negociadas em bolsas.

Sobre os temas específicos da Conferência, não houve progressos em direção a indicadores e objetivos concretos, que serão definidos nos próximos anos, mas sim uma reafirmação dos compromissos já em vigor. Mereceram citações específicas com destaque no relatório final:

temas sociais: erradicação da pobreza; cidades e assentamentos humanos sustentáveis; saúde e população; consumo e produção sustentáveis; educação; igualdade de gêneros e empoderamento das mulheres;

temas ambientais: água e saneamento; energia; oceanos e mares; redução do risco de desastres; mudanças climáticas; florestas; biodiversidade; desertificação, degradação da terra e seca; montanhas;

temas econômicos: promoção do emprego pleno e produtivo, do trabalho decente para todos e a proteção social;

temas setoriais: segurança alimentar, nutrição e agricultura sustentável; turismo sustentável; transporte sustentável; produtos químicos e resíduos; mineração;

situações locais / regionais: pequenos Estados insulares em desenvolvimento; países menos adiantados; países em desenvolvimento sem litoral; África; iniciativas regionais.

No que tange aos recursos, foi reconhecida a necessidade de aporte significativo de valores financeiros para atingir o desenvolvimento sustentável e foi estabelecido um processo intergovernamental subordinado à Assembleia Geral da ONU para determinar as necessidades e estratégias de financiamento, porém sem determinação concreta de montantes adicionais aos já compromissados, nem de constituição de fundos específicos além dos já existentes.

Se, por um lado, o resultado final intergovernamental da Rio+20 claramente foi de ratificação do caminho atual e pobre avanço, talvez o maior resultado obtido pelos países tenham vindo das iniciativas com participação não governamental. A ONU declarou que foram firmados na “Rio+20” 705 compromissos voluntários entre setor privado, governos e sociedade civil nas áreas de transporte, energia renovável, proteção ambiental e outras áreas relacionadas ao desenvolvimento sustentável, totalizando US$ 513 bilhões (cerca de R$ 1,6 trilhão) aplicados nos próximos dez anos. Destes compromissos, 50 deles envolvem governos, 72 são entre o Sistema ONU e ONGs, 226 entre empresas e a indústria, 243 entre universidades e escolas de todo mundo (dentre estes, um se refere à inclusão do ensino sobre sustentabilidade no currículo de instituições de educação superior de mais de 50 países, inclusive o Brasil). Por meio do link http://www.uncsd2012.org/rio20/allcommitments.html podem ser consultados todos estes compromissos, ações, prazos e recursos.

Os maiores valores acordados serão doados pelo Banco de Desenvolvimento Asiático e oito dos principais Bancos Multilaterais de Desenvolvimento, com 175 bilhões de dólares em dez anos para financiar projetos sustentáveis nos transportes na Ásia, na América Latina e na África, englobando o desenvolvimento de tecnologias mais limpas, no transporte coletivo e em ciclovias, entre outros. Outros 50 bilhões de dólares serão investidos na iniciativa do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, “Energia Sustentável para Todos”. O Japão vai investir seis bilhões de dólares em programas sobre economia verde e r

edução de desastres, ao passo que a Alemanha se comprometeu a ajudar em ações sobre acesso a energia com 3,3 bilhões de dólares.

A sensação que fica deste encontro grandioso é de reconhecimento dos países da necessidade de novas ações em prol do desenvolvimento sustentável, porém de pouca disposição a assumir novos compromissos a “pagar”, ou no máximo que se pague em “suaves prestações”, especialmente em um momento de crise econômica.

De qualquer maneira, independentemente dos consensos (ou sua falta) dos países, as discussões e resultados para o setor elétrico são muito importantes, considerando os compromissos voluntários assumidos, vários deles relacionados a energias renováveis, e o Programa “Energia Sustentável para Todos” da ONU.

Qual o futuro que queremos para o setor elétrico? Mãos à obra!

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Comentários (1)

[…] O documento final da RIO+20 convida ainda os programas, fundos e organismos do sistema ONU, bem como outras instituições financeiras internacionais a seguir fomentando a incorporação do desenvolvimento sustentável em seus programas, estratégias e decisões a fim de apoiar a todos os países, em particular aos países em desenvolvimento, em seus esforços para atingir a sustentabilidade. Leia mais! […]

Os comentário estão encerrados.

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico