Seja muitíssimo bem-vinda

Edição 108 – Janeiro de 2015
Espaço 5419
Por Jobson Modena*

Documento da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) que possui o status de segunda norma do setor elétrico mais procurada e consultada do país, a ABNT NBR 5419:2005 – Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas já foi NB 165 – Proteção de estruturas contra descargas elétricas atmosféricas em 1970. E, de lá para cá, com o objetivo de aperfeiçoar seu texto transformando-o em uma ferramenta cada vez mais consistente para auxiliar a engenharia nacional na proteção contra os raios, tem passado por várias revisões.

O primeiro grande salto técnico no texto aconteceu em 1993 quando, utilizando como referência a norma IEC 61024 – Lightning protection, series a and b, foram introduzidos: os conceitos de nível de proteção; os três métodos de cálculo que até hoje são utilizados na captação (Franklin, Faraday e Esfera rolante); o cálculo do número de descidas em função principalmente do perímetro da estrutura; o comprimento do eletrodo de aterramento com base na resistividade do solo etc. Outra mudança importante a ser mencionada na edição de 1993 foi, juntamente com a resolução 04/89 da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), a proibição da utilização dos captores radioativos, colocando fim à possibilidade da utilização desse dispositivo em qualquer tipo de Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) existente no Brasil.

Após mais de vinte anos, surge o que o grupo revisor da Comissão de Estudos – CE: 64.10, proteção contra descargas atmosféricas do Comitê Brasileiro de Eletricidade, Eletrônica, Iluminação e Telecomunicações (Cobei), chamou de “o segundo grande salto técnico no texto da NBR 5419”. Com dez anos de revisão do texto base de 2005 e com um grupo bastante heterogêneo, o trabalho foi conduzido e terminado, basicamente por seis participantes regulares, culminando na criação de um documento, que é baseado na norma IEC 62305 – Lightning protection, series 1 to 4, com mais de 340 páginas, dividindo os assuntos em quatro partes:

Parte 1: Princípios gerais, que estabelece os requisitos mínimos para a determinação de proteção contra descargas atmosféricas, bem como fornece subsídios para a utilização dos conceitos em projetos de proteção contra descargas atmosféricas.

Parte 2: Gerenciamento de risco, que estabelece os requisitos para análise de risco em estruturas devido às descargas atmosféricas para a terra e tem o propósito de regrar a avaliação de tais riscos, permitindo a escolha das medidas de proteção apropriadas a serem adotadas para reduzir o risco de dano causado por raio ao limite ou abaixo do limite tolerável.

Parte 3: Danos físicos a estruturas e perigos à vida. Provê os requisitos para proteção de uma estrutura contra danos físicos por meio de um SPDA e para proteção de seres vivos contra lesões causadas pelas tensões de toque e passo nas vizinhanças de um SPDA. Aplica-se a projeto, instalação, inspeção e manutenção do SPDA para estruturas sem limitação de altura, bem como o estabelecimento de medidas para proteção contra lesões a seres vivos causadas pelas tensões de passo e toque provenientes das correntes impulsivas.

Parte 4: Sistemas elétricos e eletrônicos internos na estrutura. Parte que fornece informações para projeto, instalação, inspeção, manutenção e ensaio de sistemas de proteção para equipamentos elétricos e eletrônicos (Medidas de Proteção contra Surtos – MPS), a fim de reduzir o risco de danos permanentes internos à estrutura devido aos impulsos eletromagnéticos causados pelas descargas atmosféricas, mas que não cobre a proteção total contra essas interferências.

Quando se compara os dois textos (atual e novo), o grau de complexidade relacionado às diferenças não se restringe apenas aos cálculos, mas também aos conceitos, à utilização e ao posicionamento de novos materiais. Dessa maneira, tendo em vista a quantidade de mudanças e de incrementos realizados no novo texto, analisou-se a necessidade de um veículo para promover a interface com o usuário e com isso melhorar o nível de compreensão dos conceitos apresentados. Assim, por meio da revista O Setor Elétrico, surge o “Espaço 5419”.

Mensalmente, um dos seis especialistas que mais contribuíram e finalizaram o novo texto terá a oportunidade de dissertar sobre um assunto tratado em uma das partes da nova NBR 5419 de forma mais amigável e colaborativa, sem o rigor linguístico que o documento exige.

Além disso, deverá acontecer em breve um evento marcando o lançamento do documento. A data será divulgada oportunamente, também visando trazer à tona as novas determinações e esclarecer os pontos mais críticos da revisão.

Portanto, boas novas nos aguardam, assim, resta-nos agradecer a todos os envolvidos no processo desde 2005, especialmente aos engenheiros Hélio Sueta, José Barbosa de Oliveira, José Claudio de O. e Silva, Normando Alves e Sérgio Santos pelas incontáveis horas de dedicação e esforço.

E que finalmente chegue a nova ABNT NBR 5419:2015, afinal, ela será a estrela do show, que com seu brilho elucidará técnicas e conceitos, ajudando ainda mais a proteção contra raios no Brasil. 

Saudações,

Jobson Modena
Coordenador da Comissão de estudos 64.10

 

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico