Substâncias químicas perigosas e o setor elétrico

Edição 89 – Junho de 2013

Por Michel Epelbaum

                Retomando o assunto discutido nesta coluna publicada há duas edições, sobre o impacto de produtos químicos e a relação com o setor eletroeletrônico, abordaremos a situação legal brasileira sobre substâncias químicas perigosas, comparando-a à legislação europeia (Reach e RoHS), que é considerada a referência mundial sobre este assunto. O Registro, Avaliação, Autorização e Restrição das Substâncias e Misturas Químicas (Reach), aprovado pelo Regulamento Europeu 1.907/2006, em 18/12/06, entrou em vigor em 01/06/07, com o objetivo de garantir o seu uso seguro. Introduziu a obrigação de realizar um registro de todas as substâncias químicas comercializadas na União Europeia (inclusive as importadas, o que obriga os exportadores brasileiros a atender exigências), propõe medidas de restrição para substâncias de alta/muito alta preocupação (como carcinogênicas, tóxicas, persistentes, muito persistentes), e estimula a sua substituição.

 

 

 

O Reach estabeleceu a abertura das informações por meio de seu banco de dados disponível ao público, notificação ou registro de fabricantes e importadores em certos casos, além do fluxo de informações mandatório na cadeia de fornecimento.     O Regulamento Europeu mais específico para o setor elétrico é a Restrição do Uso de Substâncias Perigosas (RoHS), aprovado pela Diretiva Europeia 2011/65/UE, de 08/06/11 (primeira versão de 2003), que entrou em vigor em 1º de julho de 2006. Ele abrange equipamentos elétricos e eletrônicos, como eletrodomésticos, de informática e telecomunicações, iluminação, instrumentos

de monitorização e controle, entre outros. Pelo RoHS, os dispositivos médicos e os instrumentos de monitorização/controle (incluindo os cabos e as peças sobressalentes) não devem conter chumbo, mercúrio, cádmio, cromo hexavalente, Bifenilas polibromadas (PBB) e éteres difenílicos polibromados (BDE). Para os demais equipamentos eletroeletrônicos, são definidas concentrações máximas destas substâncias, com exceções temporárias e permanentes previstas.            Vale comentar sobre a aprovação recente da norma de declaração de materiais, a IEC 62474:2012, que também provê acesso a um banco de dados na internet com mais de 90 substâncias declaráveis e suas aplicações típicas (fonte: http://std.iec.ch/iec62474).

E no Brasil?

                Como são controladas as substâncias perigosas aqui? As práticas de avaliação e restrição mais próximas do Reach referem-se aos controles sobre substâncias para agrotóxicos e produtos regulados pela Anvisa por impacto à saúde (medicamentos, cosméticos, alimentos). Existem ainda planos de implementação da Convenção de Estocolomo ratificada pelo Brasil (eliminação de 12 poluentes orgânicos persistentes). Merece referência à implementação do GHS – Globally Harmonized System – sobreclassificação, rotulagem e fichas de segurança de produtos químicos, mas a legislação sobre este tema ainda é fragmentada e pontual, não apresentando uma estrutura abrangente como a do Reach.

                Para o setor elétrico, não há ainda um equivalente do RoHS no país, observando-se iniciativas isoladas:

–                      a ABNT NBR IEC 62474:2012 – Declaração de materiais para equipamentos eletroeletrônicos – foi aprovada no ano passado, porém não está respaldada por legislação abrangente;

–                      a ABNT NBR 5410 e a ABNT NBR 13570 definem que alguns tipos de cabos devem ser livres de halogênio e com baixa emissão de gases tóxicos;

–                      nota-se grande avanço na gestão de resíduos eletroeletrônicos, como comentado em colunas anteriores, mas sem considerar substâncias perigosas, com exceção da Resolução Conama 401/08, que estabelece os limites máximos de chumbo, cádmio e mercúrio para pilhas e baterias.

                A legislação existente no país ainda não é suficiente para assegurar produtos seguros à saúde e ao meio ambiente no setor eletroeletrônico.

                Atualmente, várias empresas já adotam requisitos do RoHS para substâncias químicas, seguindo regras das matrizes ou de clientes. Observam-se ainda requisitos do RoHS em alguns critérios federais de compras públicas sustentáveis, como comentado em coluna anterior.

                Precisamos avançar! E este talvez seja um caminho a trilhar: avançar na adoção de melhores práticas pelas empresas, mesmo sem existirem as restrições legais no país!

Atualizado em 7 de junho de 2021 por admin

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico