Tutorial Variações de tensão de curta duração – Parte 3

Exemplo de aplicação – Agregação de eventos

 A Tabela 1 apresenta o registro de vários eventos individuais obtidos para um determinado ponto de monitoração, em um período de 30 dias consecutivos, culminando em um total de 33 eventos.

Tabela 1 – Registro de eventos individuais de VTCD em um determinado ponto de monitoração

Dicas de Instalações - tabela 1

Como pode ser observado na Tabela 1, os 33 eventos individuais, após as devidas agregações, resultaram em um total de apenas 11 eventos agregados a serem efetivamente contabilizados. De forma complementar, tem-se ainda que:

  1. As agregações de fases foram realizadas com base no critério da união de fases;
  2. Os eventos individuais 16 e 17 são consecutivos (e não simultâneos), de forma que foram considerados os critérios de agregação temporal para caracterização do evento agregado representativo dos mesmos;
  3. A agregação dos eventos 18 a 26 foi realizada considerando-se inicialmente a agregação de fases para os conjuntos de eventos 18-20, 21-23 e 24-26. Com base nos resultados dessas agregações de fase, procedeu-se à agregação temporal dos três eventos resultantes, conforme mostrado no exemplo da Figura 5 (Parte 2 deste tutorial publicado na edição anterior);
  4. A agregação dos eventos 27-29 foi realizada conforme mostrado no exemplo da Figura 6 (Parte 2 do tutorial);
  5. A agregação dos eventos 30-33 foi realizada conforme mostrado no exemplo da Figura 7 (Parte 2 do tutorial).

Exemplo de aplicação – Cálculo do fator de impacto

A Tabela 2 apresenta um resumo dos eventos registrados após as agregações efetuadas no tópico anterior.

Dicas de Instalações -tabela2

Na sequência, considerando-se os eventos agregados indicados na Tabela 2, aloca-se a quantidade de eventos registrados em cada região de sensibilidade definida no módulo 8 do Prodist, conforme mostrado nas Tabelas 3 e 4.

Tabela 3 – Estratificação dos eventos em função da duração e amplitude

Dicas de Instalações - tab3

Tabela 4 – Estratificação dos eventos por região de sensibilidade

Dicas de Instalações - Tab4

Na sequência, o cálculo do Fator de Impacto é realizado utilizando-se a equação (1), considerando-se os fatores de ponderação, assim como o FIBASE, indicados na Tabela 5.

Equação-aula-prática

Tabela 5 – Fatores de ponderação e Fator de Impacto Base de acordo com a tensão nominal

Dicas-de-instalação-tab5

Considerando-se que o ponto de monitoração se refere ao ponto de entrega de uma unidade consumidora atendida em média tensão, tem-se que FIBASE = 2,13. Assim, tem-se:

Aula-pratica-equa2


Referências bibliográficas

[1] ANEEL – Agência Nacional de Energia Elétrica. Procedimentos de Distribuição. Módulo 8, Qualidade da Energia Elétrica. Revisão 8. 2016.

 

[2] IEEE PES. IEEE Guide for Voltage Sag Indices. IEEE Std 1564 -2014.

 

[3] IEC – International Electrotechnical Commission. Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4.30: Testing and measurement techniques – Power quality measurement methods. IEC 61000-4-30. Edition 2.0, 2008-10.

*Por José Rubens Macedo Jr.

 

Atualizado em 7 de junho de 2021 por Simone Vaiser

Posts Relacionados

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico