Crise energética: é hora de falar sobre os carros elétricos?

Falar em veículos elétricos em meio a crise energética que o Brasil enfrenta pode parecer um paradoxo. A primeira pergunta é: como podemos, em meio a tudo isso, pensar na troca de veículos a combustão por elétricos? A resposta não é simples, mas pode ser resumida em uma única palavra: planejamento. Vale dizer que o impacto dos veículos elétricos no consumo nacional é muito pequeno e os dados não me deixam mentir. De acordo com estudos realizados pela ANFAVEA, em 2035 teremos 62% dos veículos brasileiros elétricos, e que consumirão apenas 1,5% do volume nacional de energia.
Isso significa que os carros elétricos não são um problema para o sistema energético brasileiro. Acontece que, como especialista na área, afirmo que ao menos 15% de toda a energia elétrica consumida no país é desperdiçada (seja em equipamentos obsoletos, seja em processos produtivos equivocados). Isso representa a cada ano, dez vezes mais do que os veículos elétricos vão consumir. E o Plano Nacional de Eficiência Energética (PNEf) continua andando devagar, o que faz o Brasil andar na contramão do resto do mundo.
O cenário atual é que os países industrializados e, portanto, as montadoras globais, já definiram a data que cada uma fará esta transição e o fato é que o Brasil não pode transformar essa oportunidade em uma grande derrota, pois neste momento estas oportunidades de mercado são infinitas. O outro ponto é que se não nos alinharmos com o pensamento mundial, as montadoras irão embora do país e a grande indústria de autopeças ligada a ela, vai falir!
O problema pode começar a ser resolvido com atuação em duas frentes. Por um lado, temos que melhorar tudo o que está ligado aos biocombustíveis e, em paralelo, montar um plano consistente e estruturado para os veículos elétricos no país. Com as grandes reservas que temos de lítio, manganês, níquel e grafite, temos que realizar acordos com os grandes centros mundiais de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e assim estarmos juntos na evolução das baterias para estes veículos elétricos. Pensarmos em não exportar commodities e sim produto industrializado, com maior valor agregado.
E aqui voltamos na parte de planejamento. Todo esse trajeto não será percorrido do dia para a noite. Para fazer as coisas direito, temos que nos reunir, pensar, trabalhar e é para ontem. A produção automobilística não está nas nossas mãos, então é hora de olharmos para o mercado e entendermos como podemos entrar bem neste mercado.
Não há motivos para ter receio ao incentivar o uso de carros elétricos, pois reforço que eles representam baixíssimo consumo dentro da nossa matriz energética e com uma vantagem enorme de economia para o bolso do consumidor pelo custo do quilômetro rodado. Aliás, a grande diferença entre a crise energética atual e a ocorrida no governo Dilma, é que naquela época, apesar da enorme redução da capacidade hídrica dos reservatórios das usinas hidrelétricas, não havia outras fontes de geração de energia como agora.
O grande aumento da geração renovável (principalmente eólica e fotovoltaica), além da inserção das termelétricas, permite um “conforto” com relação a possíveis apagões. Porém, o preço a se pagar é uma tarifa absurdamente alta. Por isso, é preciso atuar na redução do consumo voluntário de energia e redução do desperdício por meio de programas fortes de curto, médio e longo prazo ou até criar imediatamente os leilões de eficiência energética.
Além disso, é fundamental montar os alicerces para a vinda dos veículos elétricos, aumentar o número de eletropostos, reduzir a carga tributária (principalmente federal) e criar um plano estruturado e duradouro. Não é loucura, a crise energética é o melhor momento para pensarmos e trazermos os holofotes para os veículos elétricos!

*Rodrigo Aguiar é sócio-fundador da Elev. Profissional com mais de 25 anos na área de Eficiência Energética, Rodrigo implantou mais de 1500 projetos em todo país nos setores industrial, comercial, serviços e público. Em seu currículo tem passagens em entidades como PNUD, IFC, BID e GIZ, todos como consultor em estudos sobre o mercado elétrico, além de ter estado à frente de posições como diretor do departamento de energia da DEINFRA da FIESP – Federação das Indústrias de São Paulo e Diretor Comercial da AGES Consultoria, além de presidente da ABESCO – Associação Brasileira das Empresas de Conservação de Energia.

Atualizado em 8 de setembro de 2021 por Rodrigo Aguiar

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico