O “Negawatt” e a ameaça de racionamento

Prezado leitor, o tema que gostaria de discutir hoje é a nova ameaça de racionamento de energia, anunciada pelo Governo no início do mês de setembro.

“O Governo Brasileiro anunciou que o nível dos reservatórios das usinas hidrelétricas do país estava abaixo do esperado e que, por isso, não haveria oferta de energia suficiente para atender à demanda, principalmente nas regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste”.

Parece notícia velha, e é mesmo. Essa declaração acima é de 2001, vinte anos atrás. Entretanto, em entrevista do Exmo. Sr. Vice-Presidente Gal. Hamilton Mourão em 01/09/2021, sua excelência declarou que o país vive a maior crise hídrica em 91 anos e que “pode ser que tenha que ocorrer algum racionamento”. Na mesma data, a Aneel determinou taxa extra ainda mais cara nas contas de luz, a chamada “Bandeira tarifária ESCASSEZ HÍDRICA”, e para finalizar, o Governo pediu à Nação um esforço extra de redução do consumo de energia, o que vai ao encontro do que sugeri ao leitor na edição passada ao pedir que considerasse avaliar a afirmação: “a energia elétrica mais barata, com menor impacto ambiental e mais eficiente que existe é a energia economizada”. Mas, até que ponto podemos ou devemos reprimir o consumo de energia sem, com isso, afetar o conforto e as benesses da modernidade?

Pois bem, analisando as três notícias do primeiro dia do mês de setembro de 2021, vamos raciocinar:
– Se vivemos a maior crise hídrica em 91 anos, por que não avisamos a Nação, em meio à maior crise sanitária da nossa História, logo após o período de chuvas findo em março, que os reservatórios estavam vazios e que era preciso racionalizar o consumo desde lá?

– Quanto à declaração do Exmo. Sr. Vice-Presidente, a quem tenho muito respeito e apreço por suas brilhantes colocações, desta vez, não foi feliz. A dois meses do que se espera ser o epicentro do problema, o mês de novembro, nenhuma medida ou conjunto de medidas foi anunciado, ainda que, conforme sua própria declaração, o Governo tenha criado em maio deste ano, “uma comissão para acompanhar e tomar as decisões a tempo e a hora no sentido de impedir que ocorra apagão”. Segundo minha opinião, se em maio, mesmo sem planejamento algum, houvesse sido amplamente divulgada à população a verdade, que estamos sem capacidade de reserva em nossas usinas hidrelétricas e que estas representam a aproximadamente 70% de nossa capacidade de geração, e que naquele momento era necessário já aplicar a “Bandeira tarifária ESCASSEZ HÍDRICA”, talvez politicamente custasse muito, mas o conceito de “Negawatt” teria sido respeitado, pois, estaríamos reprimindo o consumo.

– Quanto ao estabelecimento da bandeira tarifária ESCASSEZ HÍDRICA, na minha opinião, muito tardia, a falta de informação privou a sociedade de tempo de reação. Se em março a população em geral tivesse esta informação, da possibilidade de escassez do recurso “Energia elétrica”, teríamos pelo menos, 9 meses (desde março até novembro) para nos prepararmos, analisando possibilidades de investimento em geração térmica distribuída (moto geradores a diesel ou gás natural particulares), painéis solares fotovoltaicos residenciais ou para autoprodutores, que teriam tempo de colocar em sua análise do custo de investimento o fator “risco de apagão”.

Na Bíblia, no Novo Testamento, no Evangelho de João, em seu capítulo oitavo, versículo 32 temos a seguinte frase: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Se a verdade nos fosse permitida, talvez estivéssemos em uma situação muito diferente. Ah, sem falar sobre planejamento, que não tem sido o nosso forte no século XXI.
A saber se, novamente, Deus ainda é Brasileiro!!!

Boa Leitura!

Atualizado em 4 de outubro de 2021 por Redação

Fazer um comentário

Política de Privacidade
When you visit our website, it may store information through your browser from specific services, usually in form of cookies. Here you can change your privacy preferences. Please note that blocking some types of cookies may impact your experience on our website and the services we offer.
O Setor Elétrico